Em casa, a cozinha sempre foi o lugar preferido da família. Nas lembranças de Rosane Miranda, diretora e chef do buffet que leva o seu nome, os avós já se dedicavam à gastronomia, e os pais seguiram a mesma trajetória, com restaurantes e pizzaria. Seu destino estava traçado. Rosane se apaixonou pelo universo dos sabores e encontrou na elaboração dos pratos a sua realização.

Há mais de 20 anos, a cuiabana atua na gastronomia e foi pioneira ao trazer pães diferenciados para Várzea Grande, com a inesquecível Panificadora Dindinha. Na ocasião, pães de torresmo, calabresas, queijos nobres já ocupavam as prateleiras e o gosto dos fregueses. Porém, a ousadia a conduziu para outros caminhos: os jantares completos, inspirando a criação do Buffet Rosane Miranda.

Para aprimorar o talento nato, buscou referência nos grandes centros, com cursos e técnicas, e investiu em suportes como prataria e louças sofisticadas para acomodar as preparações feitas com muito carinho e fartura. “A comida é a união de sabor, aroma, texturas e cores, e tudo isso feito com um toque muito especial, do amor”, pontua ela.
Rosane é entusiasta dos cardápios exclusivos, personalizados. A cada festa, elabora um roteiro próprio de sabores, com pratos diferenciados, em que a apresentação se destaca pelo primor estético. “O primeiro contato é do olhar, assim o prato deve ser atrativo, despertar a vontade de experimentar”, explica ela, uma apaixonada pelo frescor dos alimentos.

Empreendedora, Rosane criou também, ao lado do marido Rosalvo, a Saboreart, especializada em salgados minimalistas, como miniquiches, folheados e croissants, para atender coquetel, brunch e cafés. Assim como a Saboreart, o Buffet Rosane Miranda, apesar de ter sede própria em Várzea Grande, com capacidade para servir até 400 pessoas, atende eventos em outros locais, numa espécie de cozinha itinerante. “A nossa estrutura permite que façamos grandes festas em outros lugres, sempre com qualidade e sabor”, destaca. Enquanto na empresa Rosane coloca a mão na massa, experimenta temperos, cria receitas, faz releituras, em casa – conta ela sorrindo – é o marido quem vai para a cozinha.