A toalha sobre a grama verde, quitutes acomodados e muita diversão. Cena cada vez mais comum no Parque Mãe Bonifácia, o coração da flora da capital que um dia ganhou o codinome de Cidade Verde e hoje se vê cercada pela selva de concreto dos prédios e construções. Refúgio de lazer de muitos mato-grossenses, o local é endereço certo para práticas esportivas, como caminhada e corrida, mas também reúne famílias inteiras e a criançada para dias de alegria e piqueniques.

Inaugurado no ano 2000, são 77 hectares de cerrado preservados, com trilhas, pistas pavimentadas e de areia. Circuitos para contemplação da fauna e da flora. Por suas árvores tipicamente do cerrado, circulam mais de 102 espécies de aves e pequenos primatas, além de capivaras, tamanduás, cutias e preás.

Ideal para receber públicos de todas as idades, o Parque reúne equipamentos para exercícios físicos, parque infantil, mirante para observar a cidade, banheiros, bebedouros, casarão com biblioteca e salas de reuniões, miniauditório e concha acústica. São muitos os motivos que fazem do Parque Mãe Bonifácia um lugar especial, atraindo uma média de visitas diárias de 600 pessoas na semana, e, nos fins de semana, 1,5 mil. Aos domingos, o colorido das toalhas de mesa estendidas pela grama forma um verdadeiro mosaico. Os piqueniques reaparecem como opção de passeio.

Conta-se que no século XIX, antes da promulgação da Lei Áurea, na área onde está localizado o parque morava uma escrava curandeira, que por ser muito idosa não era importunada pelos capitães do mato. Assim, a velha escrava dava abrigo aos fugitivos e tinha o controle de acesso dos escravos ao quilombo. O nome do parque foi escolhido em homenagem a ela.

O parque fica no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá, e pode ser visitado diariamente das 5h30 às 18h. Acesso gratuito.