O Bacardí Legacy, maior campeonato de coquetelaria do mundo organizado por uma única marca, que desafia bartenders de todo o mundo a criarem um novo coquetel clássico com rum Bacardí, chega à última semana para envio de receitas. Com um processo de seleção que passa por diversas etapas em nível nacional e global, a competição tem o objetivo de revelar um coquetel que resista ao tempo e que afirme seu legado na coquetelaria.

Para competir, os bartenders interessados devem criar um coquetel com uma das seguintes versões do portifólio Bacardí – Bacardí Carta Blanca, Bacardí Carta Oro, Bacardí Añejo Cuatro Años e Bacardí Reserva Ocho Años. A receita deve ser original e de fácil replicação, uma vez que o principal objetivo do campeonato é eleger um drink com potencial para se tornar um clássico da coquetelaria, como o Mojito, o Daiquiri e a Cuba Libre.

O Bacardí Legacy foi criado em 2008 para apoiar e celebrar talentos extraordinários da coquetelaria, dando aos participantes a oportunidade de criar um coquetel que resista ao teste do tempo tendo um legado duradouro. A conquista do troféu representa uma mudança de vida para um bartender, cuja lista de vencedores anteriores inclui Ago Perrone (Bar Connaught de Londres) e Shingo Gokan (Barman Internacional do Ano de 2017). O vencedor de 2018, Erik van Beek, que trabalha no Bar TwentySeven em Amsterdã, viajou o mundo apresentando seu coquetel vencedor Cariño.

As etapas
As inscrições marcam a primeira fase do Bacardí Legacy e vão até 10 de setembro. Para participar da competição o bartender deve ter no mínimo 21 anos e trabalhar em um bar que tenha permanentemente disponível na carta o rum BACARDÍ usado na receita do coquetel. Ao final dessa etapa inicial, as receitas serão avaliadas e as dez de maior potencial serão selecionadas para participar da semifinal brasileira em São Paulo, que elege os três finalistas.

O trio que disputará o troféu na final nacional, inicia, então, a fase de Campanha de seus Coquetéis que dura três meses, requisito para composição de nota, que esse ano traz algumas novidades. Cada competidor tem que realizar a Campanha do Coquetel, que envolve o cumprimento de sete desafio pessoais – refinamento do coquetel, criar uma identidade, levar seu coquetel para o mundo, abraçar uma causa, engajar a comunidade, aplicar mentorias e demonstrar os resultados numéricos do seu drink. Cada desafio tem uma pontuação que, somada, representa um terço da nota da final nacional.

Os outros dois terços da nota da final nacional vêm de uma apresentação de palco marcada para o dia 21/10 que tem como objetivo apresentar o coquetel desenvolvido para o público e jurados, seguindo critérios como inspiração, originalidade, replicabilidade da receita, performance do profissional, além das características gustativas do coquetel.

O grande ápice do Bacardí Legacy acontece na final global onde cada vencedor nacional disputa o título de Vencedor Global Bacardí Legacy. A última edição aconteceu em Amsterdã, na Holanda, e a próxima acontecerá em Miami, nos Estados Unidos, em maio de 2020. O vencedor brasileiro disputará entre os 40 finalistas globais em busca de um lugar na história da coquetelaria mundial.

‘Há mais de 10 anos o Bacardí Legacy vem ajudando a revelar novos clássicos da coquetelaria que ganham o mundo, indo muito além da competição. A campanha do coquetel tem o potencial de mudar tanto a comunidade da coquetelaria, quanto a carreira dos bartenders de forma permanente, por isso, no Legacy desse ano, ampliamos ainda mais esse potencial de mudança’, explica Tony Harion, embaixador de marcas da Bacardi.