Alguns chefs de restaurantes de São Paulo já tomaram a iniciativa de doar os alimentos que poderiam ser perdidos por causa do distanciamento social adotado na cidade para conter o avanço do coronavírus – por causa da falta de clientes, muitos endereços estão fechando temporariamente as portas e pretendem reabrir só quando a situação se normalizar.

É o que vai fazer o chef Sae Kim, do restaurante coreano New Shin-la Kwan, no Bom Retiro. “Decidimos fechar nesta sexta-feira e só voltaremos quando for seguro”, afirma. Para evitar o desperdício, ele afirmou que vai fazer um kit para cada funcionário com os alimentos que poderiam estragar nesse período. “O que sobrar, vamos doar para uma associação do bairro”, diz.

 

O mesmo fez a chef Telma Shiraishi, do restaurante japonês Aizomê, que tem duas unidades. Como uma delas fica dentro do museu Japan House, na Avenida Paulista, que está fechado por ordem da prefeitura, Telma decidiu aproveitar os ingredientes desse ponto para preparar marmitas, que foram distribuídas a moradores.

A comida foi feita por funcionários da unidade dos Jardins, que vai continuar aberta até segundo ordem, seguindo as ordens de aumentar a distância entre as mesas, fornecer álcool gel aos clientes e reforçar a higiene de mesas, utensílios, louças.