Preocupados com a queda no movimento, que já chega a 50% em alguns restaurantes de São Paulo, o escritório de São Paulo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-SP) pede para que a população mantenha a calma e não tenha medo de visitar bares e restaurantes por causa do coronavírus.

Segundo o presidente da Abrasel-SP, Percival Maricato, os estabelecimentos estão tomando as medidas necessárias para continuar recebendo os clientes, como aumentar a distância entre as meses e reforçar a ventilação, além de redobrar os cuidados com a higiene de mesas, talheres, louças e banheiros. “Estamos tentando trabalhar tranquilamente, fazendo adequações ao possível agravamento (da pandemia de coronavírus)”, afirma Maricato.

 

Segundo o escritório nacional da Abrasel, “a recomendação neste momento é de que os estabelecimentos se antecipem e diminuam em 30% a capacidade de atendimento no salão e coloquem uma distância de 1 metro entre cadeiras de mesas diferentes, ou 2 metros entre as mesas”.

A entidade também disse que “conversa com o setor público e privado para que seja implantada a ideia de escalonar o horário de almoço nas empresas de todos os portes, de modo que os restaurantes possam atender a todos mesmo com a redução de 30% na capacidade de atendimento”.

Para Sylvio Lazzarini, dono de três unidades do Varanda Grill, localizadas em bairros nobres da cidade, e do La Griglia, no Bourbon Shopping São Paulo, “tem gente muito apavorada no setor”.

Segundo ele, o poder público tem que atuar para impedir a concentração de pessoas em bares e restaurantes. “Há lugares em que as pessoas ficam aglomeradas, tem que haver uma iniciativa para esclarecer isso e os empresários precisam entender seu papel (e impedir a concentração de clientes)”, afirma.